Bem vindo ao meu Blog!

Aqui você entrará no pequeno mundo da minha imaginação, através de crônicas e posts que, normalmente, são inspirados no cotidiano meu e dos que me rodeiam. Boa viagem e divirta-se!

Amor de conto de fadas

Postado em julho 25th, 2018 por solsampaio  |  Sem Comentário »

Se amar fosse fácil Sentaria em uma praça com você dividiria um sorvete numa taça pediria algo pra beber Daríamos boas risadas Conversaríamos por horas a fio Descansaríamos por uma tarde inteira Deitados à beira de um rio Ouviríamos as mesmas músicas Assistiríamos à TV Discutir não é negócio Que eu faria com você Mas [...]

Filha de verdade

Postado em julho 6th, 2018 por solsampaio  |  Sem Comentário »

Nasceu meu neto. Na verdade ele é filho da minha filha emprestada, a qual me recuso a chamar de enteada. Filha do meu marido, a conheci pessoalmente quando tinha 9 anos, e foi amor à primeira vista. Baianinha criada no ceará, tinha um sotaque todo próprio e especial, me deixava fascinada. Lembro de um dia, [...]

Minha mãe

Postado em julho 6th, 2018 por solsampaio  |  Sem Comentário »

Estranho eu não conseguir falar dela desde que partiu, há 6 anos. Foi uma relação tão complexa, cheia de altos e baixos, porém tão cheia de amor que dói entender o quanto perdi, o quanto deixei de ter, aproveitar, curtir. Desde muito cedo já sentia a distância, já que eu era a caçula temporã, nascida [...]

Hoje quero falar dela…

Postado em junho 26th, 2018 por solsampaio  |  Sem Comentário »

Falar da minha avó é sempre um prazer… mulher forte e suave, educada à moda francesa em sua infância abastada. Educava com firmeza, mas nunca erguia a voz. Lembro com saudades do gosto da sua comida, do seu cheiro de talco, das histórias contadas no final da tarde; me ensinou a cozinhar, mas nunca fiz [...]

Meus 50 anos

Postado em novembro 29th, 2015 por solsampaio  |  Sem Comentário »

“E vamos deixar de ter preconceito contra a velhice, até porque, de todos os preconceitos idiotas, este é o mais idiota de todos: mais dia menos dia vamos todos, homens e mulheres, negros, brancos, pardos, azuis e amarelos, envelhecer. Isso é, se tivermos sorte.” Foi assim que Cora Ronai encerrou seu texto magnífico de revolta [...]